Menu
  • galeria@zildafraletti.com.br
  • + 55 41 3026-5999 + 55 41 99164-2882
  • Zilda Fraletti

    Av. Batel, 1750 – lojas 08, 10 e 12

    Design Center – Batel

    CEP: 80.420-090

    Curitiba – PR – Brasil

  • galeria@zildafraletti.com.br
  • + 55 41 3026-5999 + 55 41 99164-2882
  • Zilda Fraletti

    Av. Batel, 1750 – lojas 08, 10 e 12

    Design Center – Batel

    CEP: 80.420-090

    Curitiba – PR – Brasil

Carlos Araújo

Carlos Alberto de Araújo Filho (São Paulo SP 1950). Pintor, desenhista, litógrafo. Inicia em 1963 estudos autodidáticos com o painel Alegoria ao Carnaval. Entre 1971 e 1975 cursa engenharia na Universidade Mackenzie, em São Paulo. Em 1973, é convidado a participar da exposição Imagens do Brasil, em Bruxelas. No ano seguinte, faz a primeira exposição individual, no Masp, local em que realiza outras exposições. Além da pintura, trabalha outras técnicas, como desenho e litografia. Lança em Paris, em 1989, o livro de litogravuras Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse. Na sua obra observam-se elementos da pintura renascentista. No decorrer de sua carreira, realiza diversas exposições individuais e coletivas, no Brasil e exterior. Em 1980, o painel Anunciação, de sua autoria, é enviado pelo governo brasileiro ao Papa João Paulo II. Em 1984, é premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA.

FORMAÇÃO:
1963 - São Paulo SP - Inicia seus estudos de pintura com o painel Alegoria ao Carnaval
1971/1975 - São Paulo SP - Estuda engenharia na Universidade Mackenzie

CRONOLOGIA:
Pintor, desenhista, litógrafo
1980 - O painel Anunciação é enviado pelo governo brasileiro ao Papa João Paulo II. A obra encontra-se hoje no Museu do Vaticano
1981 - São Paulo SP - Executa o painel Os Trabalhadores, para o Banco Itaú, iniciando fase social
1984 - São Paulo SP - Recebe o prêmio da APCA
1987 - Paris (França) - Claude Draeger edita monografia ilustrada, intitulada Araújo, sobre sua pintura, com apresentação de Pietro Maria Bardi e Pierre Restany, reeditada em 1995
1989 - Paris (França) - Lançamento do livro de litogravuras Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse, editado por Ariene Lancell, inspirado na obra de Blasco Ibañez
1996 - São Paulo - Artista homenageado na 28º Chapel Art Show

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS:
1974 - São Paulo SP - Carlos Araújo: pinturas, no Masp
1979 - São Paulo SP - Carlos Araújo: pinturas, no Masp
1982 - São Paulo SP - Individual, no Centro Campestre do Sesc
1984 - São Paulo SP - Individual, no Clube Atlético Monte Líbano
1984 -São Paulo SP - Trinta Painéis de Carlos Araújo, no MAB/Faap
1985 - São Paulo SP - Individual, na Galeria de Arte Aplicada
1986 - Salvador BA - Individual, no Escritório de Arte da Bahia
1987 - São Paulo SP - Individual, no Masp
1989 - Paris (França) - Carlos Araújo: pinturas e esculturas, na Galerie Furstemberg
1992 - Panamá (Panamá) - Individual, na Bernhein Gallery
1996 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Votre Galeria de Arte
1997 - Curitiba PR - Individual, na Simões de Assis Galeria de Arte
1998 - Fortaleza CE - Individual, na Galeria Multiarte
2000 - Miami (Estados Unidos) - Cenas da Bíblia, na Praxis Art International Gallery
Nova York (Estados Unidos) - Individual, na Praxis Art International Gallery
Nova York (Estados Unidos) - Cenas da Bíblia, na Praxis Art International Gallery
São Paulo SP - Ascensão, no Espaço de Artes Unicid
2001 - Curitiba PR - Cenas da Bíblia, na Simões de Assis Galeria de Arte
São Paulo SP - Cenas da Bíblia, na Sociedade Brasileira de Cultura Inglesa

EXPOSIÇÕES COLETIVAS:
1973 - Bruxelas (Bélgica) - Imagens do Brasil
1976 - Penápolis SP - 2º Salão de Artes Plásticas da Noroeste, na Fundação Educacional de Penápolis. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Penápolis
1977 - São Paulo SP - Mostra de Arte, no Grupo Financeiro BBI
1978 - Cidade do México (México) - 1ª Bienal Ibero-Americana de Pintura
Penápolis SP - 3º Salão de Artes Plásticas da Noroeste, na Fundação Educacional de Penápolis. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Penápolis
1979 - São Paulo SP - Arte no Brasil: uma história de cinco séculos, no Masp
1980 - Penápolis SP - 4º Salão de Artes Plásticas da Noroeste, na Fundação Educacional de Penápolis. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Penápolis
1982 - Bauru SP - 80 Anos de Arte Brasileira
Marília SP - 80 Anos de Arte Brasileira
Penápolis SP - 5º Salão de Artes Plásticas da Noroeste, na Fundação Educacional de Penápolis. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Penápolis
São Paulo SP - 80 Anos de Arte Brasileira, no MAB/Faap
1983 - Belo Horizonte MG - 80 Anos de Arte Brasileira, na Fundação Clóvis Salgado. Palácio das Artes
Campinas SP - 80 Anos de Arte Brasileira, no MACC
Curitiba PR - 80 Anos de Arte Brasileira, no MAC/PR
Ribeirão Preto SP - 80 Anos de Arte Brasileira
Santo André SP - 80 Anos de Arte Brasileira, na Prefeitura Municipal de Santo André
1985 - São Paulo SP - 7 Pintores da Arte Contemporânea Brasileira, na Galeria de Arte Portal
1987 - São Paulo SP - 20ª Exposição de Arte Contemporânea, na Chapel Art Show
1991 - Chicago (Estados Unidos) - Art Chicago International Art Exposition
1992 - Miami (Estados Unidos) - Art Miami International Art Exposition
Santo André SP - Litogravura: métodos e conceitos, no Paço Municipal
1995 - Buenos Aires (Argentina) - Feira de Arte de Buenos Aires
1997 - Curitiba PR - Casa Cor Sul, na Simões de Assis Galeria de Arte
1999 - Curitiba PR - Destaques da Pintura Brasileira, na Simões de Assis Galeria de Arte
São Paulo SP - Litografia: fidelidade e memória, no Espaço de Arte Unicid
2001 - Caracas (Venezuela) - Feira Ibero Americana de Arte
Miami (Estados Unidos) - Art Miami
2003 - Rio de Janeiro RJ - Projeto Brazilianart, na Almacén Galeria de Arte
2004 - São Paulo SP - Coletiva de Artistas Contemporâneos, no Esporte Clube Sírio

TEXTOS CRÍTICOS:
“Anjos, demônios, espectros... pessoas comuns: o universo espectral de Carlos Araújo é povoado de sombras e de aparências anônimas, de silhuetas aprisionadas na fração de uma atitude. Os contornos das formas e dos rostos mal se recortam na fluidez de um espaço sem peso nem profundidade outra que a produzida pelo efeito apoiado do traço ou do toque do pincel. Os tons bistres pálidos ou azulados evocam as aquarelas clássicas do renascimento quanto ao espírito ´romântico-crepuscular´ do autor. (...) Não é sem fundamento que Carlos Araújo reivindica a influência dos ´mestres´ renascentistas, Michelangelo em primeiro lugar, que ele admira tanto por seu gênio visionário quanto por seu poder de trabalho. De fato, esses rostos de mulheres, esses corpos de trabalhadores, essas silhuetas de indígenas, de crianças ou de gente de circo têm, nas posturas e nas proporções, como que uma aparência furtiva, aspectos familiares que lembram os personagens da Capela Sistina. Em suas notas de trabalho, que constituem um comentário analítico de tocante lucidez, Carlos Araújo reencontra com naturalidade os toques leonardianos ou michelangelescos para evocar seus métodos de trabalho, o curso de seu pensamento, os pontos de ancoração de sua visão entre os arrebatamentos do sentimento e as exigências da feitura”.
Pierre Restany
"(...). O Trabalho de Araújo mostra a tensão que existe dentro da humanidade; de certa maneira, é a convicção de que a Bíblia manifesta a mensagem de salvação da história humana. Sua crônica, que ocorre através das alegorias e freqüentemente é inspirada por fontes religiosas, se dirige ao Brasil tumultuoso e mutante de hoje, e de todos os tempos. (...) Os homens e mulheres de Araújo são feitos de carne e osso, são impressões do Brasil libertados pelo artista para realizar, de sua própria maneira, uma versão de Gênesis e a previsão de outro Juízo Final. (...). O mundo habitual de Araújo é o mundo das pessoas pequenas, do povo anônimo e sofredor do Brasil. Ele é o testemunho e a memória dos excluídos, dos pescadores, dos tristes, dos amedrontados: o trabalho de Araújo é uma crônica de abandono".
Jorge Glusberg