Menu
  • galeria@zildafraletti.com.br
  • + 55 41 3026-5999 + 55 41 99164-2882
  • Zilda Fraletti

    Av. Batel, 1750 – lojas 08, 10 e 12

    Design Center – Batel

    CEP: 80.420-090

    Curitiba – PR – Brasil

  • galeria@zildafraletti.com.br
  • + 55 41 3026-5999 + 55 41 99164-2882
  • Zilda Fraletti

    Av. Batel, 1750 – lojas 08, 10 e 12

    Design Center – Batel

    CEP: 80.420-090

    Curitiba – PR – Brasil

André Mendes

Formação
2011 Pintura Avançada III, disciplina isolada | UFPR | Curitiba - Brasil
2008 Gravura em Metal - Solar do Barão | Curitiba - Brasil
2004 Especialização em Desenho - IDEP | Barcelona - Espanha
1999 - 2003 Graduado em Desenho Industrial - Programação Visual - PUC/PR | Curitiba – Brasil

Exposições
Exposições individuais marcadas com
2016
M3ND3S / Memorial da Cidade de Curitiba / Curitiba - Brasil (Over)Laid / Galeria InterArtividade / Curitiba - Brasil
AESTIVAL / Le Centre Culturel Cloître des Billettes / Paris - França The Solo Project - Art Basel / Basel – Suíça
Nasi Campur / TAKSU Gallery Singapore / Cingapura
2015
Tropikos / Hof Art Space / Bangkok – Tailândia
Total / Farol Galeria / Circuito Bienal Vento Sul / Curitiba - Brasil
Total / Galeria Zilda Fraletti / Circuito Bienal Vento Sul / Curitiba - Brasil Limited Edition / Casa Lab / Curitiba - Brasil
2014
Espacial / Atelier aberto / Curitiba - Brasil Art Expo Malaysia / Kuala Lumpur - Malásia
2013
1o Salão de Arte Contemporânea de Ponta Grossa / Centro de Cultura Cidade de Ponta Grossa - Brasil Vencedor do Primeiro Prêmio
13o Salão Nacional de Artes de Itajaí - Brasil
2012
Individual André Mendes / Museu Guido Viaro / Curitiba - Brasil Elementares / MAC-PR / Curitiba - Brasil
ColorFlow / Galeria RAS / Barcelona - Espanha
2011
Urban Gallery / Brookfiel Incorporations / Curitiba - Brasil
Águas do Amanhã / MON - Museu Oscar Niemeyer / Curitiba - Brasil COLORES / Galeria Zilda Fraletti / Curitiba - Brasil
MOB + ARTE BICICLE e MOBILIDADE / Solar do Barão / Curitiba - Brasil
2010
Estado da Arte / 40 anos de Arte Contemporânea no Estado do Paraná / Coletivo Interlux Arte Livre MON - Museu Oscar Niemeyer / Curitiba - Brasil
2009
Desconstrução / Espaço Cultural BRDE / Curitiba - Brasil
V Bienal Vento Sul / Projeto Grade Sobre Grade / Coletivo Interlux Arte Livre / Memorial de Curitiba / Curitiba - Brasil
SktaeArt / SkateRIP / FAD / Barcelona - Espanha
IN_VERSOS / Estreita Galeria / Curitiba - Brasil
2008
Cicloviáerea / Colaboração com Jarbas Lopes - CCSP / São Paulo - Brasil
Galerias Subterraneas / Curitiba – Brasil / Coletivo Interlux Arte Livre

As imersões espaciais da cor, saturações em movimento

O trabalho de André Mendes encerra aqui um ciclo de produção. A sua linguagem pictórica transforma a concepção de desenho em meio expressivo, indo dos gestos rápidos contínuos que o desenho permite, transpondo-os às telas por suas pinceladas, até sua dimensão mais ampla – o desenho como projeto. André absorveu de seus períodos de estudos em Barcelona as noções que colocam o dibujo (esboço) e diseño (projeto) como parte de um mesmo procedimento artístico primordial – finalizar os trabalhos man- tendo as condições de irrealizado, com aspectos de esboço e caráter de projeto, mas que nos sugere um movimento perpétuo.
O espaço tomado a partir dos pigmentos em resina parece querer mergulhar tudo ao seu redor, como uma pintura que flerta com a tridimensionalidade escultórica e tudo quer tocar, invadir, sem limites de expansão. A saturação não é apenas saturação de cor, é saturação de caos – a resina mergulha sobre a tela e se expande com o acaso do caos, que o pintor procura controlar, mesmo sabendo que seu con- trole reside entre uma ponta e outra do impacto gerado pela resina com a superfície do tecido da tela. André inclui o acaso no entre a superfície da tela e o gesto pictórico.
As pinturas colocam o espectador diante do material saturado e aparentemente maleável, sugerindo movimento, mas um movimento impossível – a resina catalisada já não mais se movimentará. Os campos de cores, já vibráteis em suas pinturas que seguem as lógicas gestuais do desenho, se transformam no próprio chassis dos trabalhos. O artista não sente mais a necessidade de desaparecer com a tela, como em trabalhos anteriores com o mesmo processo de pigmento e resina, mas evidencia seu transborda- mento. Em expansão contínua, são imersões na tela que carregam o desejo de transbordar também para as outras superfícies do mundo ao redor – escultórico e arquitetônico.

Arthur do Carmo